Grato por sua visita!

A dona da rua: La Suíssa invade calçada e estacionamento em Campina Grande, diz internauta


O internauta Everaldo Basilio Carneiro, usou o seu perfil no Facebook para denunciar a ocupação, ou invasão de calçada feita pela La Suissa, com a instalação de um suposto parklet, em local onde poderia ser um estacionamento, em pleno centro de Campina Grande. 

Everaldo alega que a ocupação do espaço pode prejudicar muitos o cidadão, onde o pedestre tem que passar a pé pela pista, correndo risco de acidente.

"Se fosse uma casa de um cidadão fazendo uma reforma em sua residência e deixar entulho em frente a sua residência a PMCG multava e mandava paralisar a reforma." Disse Everaldo, apelando para que à prefeitura de Campina possa se posicionar sobre esse caso.

Everaldo Basilio não informou em seu post, se tal empresa tem permissão da prefeitura para ocupar a 'calçada' e o pequeno espaço que poderia ser usado como estacionamento, mas pesquisando, descobri que, em clima de comemoração pelos seus 25 anos, a doçaria La Suíssa inaugurou no dia 10/11 o primeiro Parklet da cidade, que são áreas na grandes cidades para um bom papo com amigos, descansar e apreciar mais a cidade. Tudo devidamente autorizado pela PMCG e sob o olhar atento do empresário Eduardo Amorim. A instalação do espaço faz parte de um projeto  piloto da iniciativa privada com a Prefeitura Municipal de Campina Grande, segundo informação da assessoria de imprensa da administração municipal.

Já contrário a  Everaldo Basilio, o funcionário público, João José Araújo disse não ver erro na instalação do parklet: “Achei muito bonito e agradável, só não sei se é sensato utilizar um pedaço considerável da rua numa cidade que sofre com falta de estacionamentos no centro. Talvez uma explicação prévia dessa novidade teria sido interessante”.

A opinião mais pesada foi a do Sr. Lindemberg Alexandre: "Sempre passo nessa rua... Essa conversa de ESPAÇO PACKET eu não engulo. Quando o ambiente tá lotado o pessoal fica fora aguardando a verdadeira intenção foi se apropriar do local público para o espaço ser utilizado por clientes aguardarem uma vaga pode ter essa certeza. Quem achar que é ambiente público que faça o teste", disse ele em tom de revolta.

Diante disso pergunto: Se essa moda pegar e se for dá o direito a cada comerciante no centro ou nos bairros de construir em frete ao seu ponto comercial um parklet, como vai ficar nossa cidade e sua mobilidade urbana?

Com a palavra à La Suíssa, PMCG, SESUMA e STTP. 













Blog do Gari Martins da Cachoeira





12 comentários:

  1. Quando falamos em mobilidade urbana sempre nos vem a cabeça carros e motos, mas precisamos considerar também que mobilidade urbana também é pedestre.
    O mundo nos últimos anos vem buscando cada vez mais alternativas para as cidades crescerem de forma ordenada, ofertando bem-estar a população e garantia de metrópoles limpas e saudáveis.
    O urbanismo contemporâneo vê o carro como algo prejudicial as cidades, não no que tange à mobilidade, mas principalmente no quesito ambiental. Nossas cidades são quentes, no verão são férvidas, isso é resultado da falta de solo permeável com vegetação e sombra. Um espaço que um carro consome ocupa um espaço onde poderia ter uma árvore e onde pessoas pudessem transitar livremente.
    No caso da rua irineu, temos quatro faixas, duas de estacionamento nas laterais e duas centrais de trânsito, isso equivale a 10 metros, enquanto de calçada temos apenas dois metros de cada lado que as vezes compete com diversos equipamentos urbanos e árvores.
    A instalação de parklet através de parceria público privada é bastante comum mundo à fora, principalmente em centros organizados e desenvolvidos.
    A atitude de Campina é louvável e exemplar uma vez que oferece um espaço de convívio e lazer para os transeuntes da rua, quem nunca sentou nos banquinhos da La Suissa? É bem agradável, bastante utilizada por jovens estudantes. Ou seja, uma pequeno banco já muda a cara da rua, quem dirá árvores, mais bancos, calçadas largas e agradáveis, etc?!
    Claro, tudo isso pode ser ruim pra quem depende do estacionamento, mas existem saídas pra isso, estacionamento vertical por exemplo é algo há muito pensado pela prefeitura, desde décadas atrás temos projetos que nunca saíram do papel. Talvez essa seja a hora de sair, pro que a cidade sente ânsia por transformação.
    É bom lembrar também que a instalação de Parklets deve ser controlada unicamente pela prefeitura, todos os comerciantes podem querer, mas nem todos devem ter seus comércios em locais propícios para tal.
    A La Suissa não é dona da rua, nós somos donos dela, o Parklet uma vez na rua é de todos, mas a manutenção é total do restaurante, seguindo essa lógica, por outro lado, uma vaga de estacionamento é muito mais privado que um parklet.

    ResponderExcluir
  2. Quando falamos em mobilidade urbana sempre nos vem a cabeça carros e motos, mas precisamos considerar também que mobilidade urbana também é pedestre.
    O mundo nos últimos anos vem buscando cada vez mais alternativas para as cidades crescerem de forma ordenada, ofertando bem-estar a população e garantia de metrópoles limpas e saudáveis.
    O urbanismo contemporâneo vê o carro como algo prejudicial as cidades, não no que tange à mobilidade, mas principalmente no quesito ambiental. Nossas cidades são quentes, no verão são férvidas, isso é resultado da falta de solo permeável com vegetação e sombra. Um espaço que um carro consome ocupa um espaço onde poderia ter uma árvore e onde pessoas pudessem transitar livremente.
    No caso da rua irineu, temos quatro faixas, duas de estacionamento nas laterais e duas centrais de trânsito, isso equivale a 10 metros, enquanto de calçada temos apenas dois metros de cada lado que as vezes compete com diversos equipamentos urbanos e árvores.
    A instalação de parklet através de parceria público privada é bastante comum mundo à fora, principalmente em centros organizados e desenvolvidos.
    A atitude de Campina é louvável e exemplar uma vez que oferece um espaço de convívio e lazer para os transeuntes da rua, quem nunca sentou nos banquinhos da La Suissa? É bem agradável, bastante utilizada por jovens estudantes. Ou seja, uma pequeno banco já muda a cara da rua, quem dirá árvores, mais bancos, calçadas largas e agradáveis, etc?!
    Claro, tudo isso pode ser ruim pra quem depende do estacionamento, mas existem saídas pra isso, estacionamento vertical por exemplo é algo há muito pensado pela prefeitura, desde décadas atrás temos projetos que nunca saíram do papel. Talvez essa seja a hora de sair, pro que a cidade sente ânsia por transformação.
    É bom lembrar também que a instalação de Parklets deve ser controlada unicamente pela prefeitura, todos os comerciantes podem querer, mas nem todos devem ter seus comércios em locais propícios para tal.
    A La Suissa não é dona da rua, nós somos donos dela, o Parklet uma vez na rua é de todos, mas a manutenção é total do restaurante, seguindo essa lógica, por outro lado, uma vaga de estacionamento é muito mais privado que um parklet.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente explanação. Parabéns pela forma clara que nos fala sobre mobilidade, desenvolvimento, clima e respeito.

      Excluir
  3. Apenas acho que o internauta Everaldo Basilio Carneiro deveria procurar se informar melhor sobre os parklets, e as vantagens que essa tendência trazem para a zona urbana.
    Informação é o melhor caminho para acabar com a ignorância.

    ResponderExcluir
  4. Totalmente errado local público. ....
    Se fosse uma barraca de lanche já tinha sido notificado

    ResponderExcluir
  5. Excelente lugar para se fazer um arrastão. Já pensou antes do lanche ser assaltado? Já que não temos segurança é um prato cheio para os bandidos.

    ResponderExcluir
  6. Quero ver o que será feito quando esse equipamento " de utilidade pública " estiver também sendo usado pelos moradores de rua. Pois desconfio que o empresário dono do estabelecimento não vai ter um senso tão correto de cidadania. Vamos esperar...

    ResponderExcluir
  7. Na minha cidade em Esperança é o que mais tem, principalmente na rua principal e os pedestres que se f#*%&$

    ResponderExcluir
  8. Não vi necessidade de um "Parklets" no meio da calçada ainda mais em uma rua movimentada do centro da cidade. É legal essa ideia de urbanização, árvores e tal, mas na minha opinião o prefeito deveria investir em locais que realmente TEM ESPAÇO para plantar árvores, flores e etc. O parque da criança esta vai pra isso, o parque da liberdade está saindo do papel. Pra mim a cidade tem muitos lugares para ser explorados e ser colocado um "Parklets". Acredito que este não seja tão público assim, por estar de frente a um estabelecimento privado e ter a manutenção custeada pelo mesmo.

    ResponderExcluir
  9. Achei lindo, se eu fosse a la suissa mandava pintar o rodapé de amarelo e colocava.... embarque e desembarque bem na porta, como a maioria das lojas comerciais fazem. Que bobagem por causa de algo tão bonito, pior é o muro do antigo cinema capitólio, totalmente comprometimento, disso ninguém se revolta, colocando em risco a vida de muitas pessoas que passam por aí diariamente, ao invés de ficarem criticando essas bobagens, vão ajudar os necessitados, vão alimentar os animais de rua. A cidade precisa de coisas legais assim, organizada, bonita.

    ResponderExcluir
  10. Acho graça a prefeitura se preocupar com isso, tendo a seu lado uma praça caindo aos pedaços, com um espaço público ao lado sendo utilizado e explorado por um empresário que não retribue sequer para um higiene visual do local.
    Existem muitos espaços no próprio centro para serem "decorados".
    Achei o investimento, de fato, bem oportunista.

    ResponderExcluir
  11. Concordo com o post acima, se fosse uma barraca de cachorro quente do "povão" já teria sido notificada, com toda certeza. Mas, fazer o que. Quem manda é quem tem mais capital mesmo. Só que é um pouco perigoso tanto no caso de arrastões como também no próprio trânsito.

    ResponderExcluir

Aviso: Os comentários serão moderados...

Tecnologia do Blogger.